Depressão de inverno: entenda os sintomas e saiba como se cuidar

Depressão de inverno: entenda os sintomas e saiba como se cuidar

Ávany França

7 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Você já ouviu falar da “depressão de inverno”? Na Irlanda, esse tipo de tristeza tem até nome. SAD! Mas não é “sad” de triste em inglês, mas a sigla SAD (“Seasonal Affective Disorder”).

Quem não se cuida pode virar mais uma vítima desse transtorno muito comum em países mais frios como a Irlanda. E está na hora de começar a se preparar para a estação.

A partir de outubro, quando o frio já começa a ficar intenso, quem mora na Irlanda e em outros países do hemisfério norte começa a sentir os efeitos do frio: preguiça maior de fazer as coisas, um desânimo insuportável ou aquele sono incontrolável.

Esses são sintomas naturais da “depressão de inverno”. Isso acontece pela ausência ou escassez da luz solar, que é hiper, mega, power importante para a nossa sobrevivência.

Vamos falar um pouco mais sobre esse assunto.

Acompanhe!

Falta de sol ajuda na ‘depressão de inverno’?

Cansaço excessivo, preguiça e falta de ânimo são sintomas da SAD, a ‘depressão de inverno’. Foto: Roman Stetsyk | Dreamstime.com

A luz solar é nossa maior fonte de vitamina D, responsável pela liberação dos hormônios de bem-estar.

O simples fato de acordar e vê-lo raiando lá fora já muda completamente o organismo e, como você sabe, na Irlanda e em muitas partes da Europa, essa visão paradisíaca está fadada, praticamente, a algumas dezenas de dias no ano (sendo bem otimista).

A tal da “depressão de inverno” pode acontecer justamente pela falta do sol! Sem ele, o organismo deixa de produzir a vitamina D e passa a produzir um outro hormônio chamado melatonina, e o resultado é sentido no corpo. Vai dando aquela preguiiiiiiça.

Leia também: Inverno na Irlanda: prós e contras de chegar ao país nessa época

Inverno na Irlanda tem apenas 7h30 de sol

Para se ter uma ideia, o dia mais longo do ano na Irlanda acontece em junho, no solstício de verão. O sol nasce às 4h56 e se pões às 21h57, totalizando 17 horas de iluminação natual, o que significa 9 horas e 30 minutos a mais do que o dia mais curto do ano, no solstício de inverno, em dezembro.

Mas, a partir de outubro, a luz solar começa a diminuir. O dia 21 de junho é o mais curto do ano: o sol nasce às 8h38 e se põe às 16h08, sendo 7 horas e 30 minutos de sol.

Diferente demais, não é? Muita gente acorda cedo para trabalhar, bem antes das 8h, e volta para casa depois das 16h. Ou seja, não vê um raio de sol. Dá para entender melhor a “depressão de inverno”, não é mesmo?

As coisas só vão melhorar lá para março, quando os dias começam a ter mais luz solar.

O que fazer para não ter ‘depressão de inverno’?

Depressão do inverno pode ser causada pela falta de luz solar. Foto: Nik Shuliahin / Unsplash

A primeira dica é: seja forte, saia da cama, circule, pois, para correr da “depressão de inverno”, você precisa ir em busca de qualquer resquício de luz solar — e mesmo que você não o veja por causa do tempo nublado, a luz do dia já dará uma amenizada na situação.

Para casos mais sérios, em que a SAD evolui para um quadro de depressão, existem tratamentos de exposição a uma luz que simula a iluminação solar, mas isso só mesmo com recomendação médica.

Leia também: Depressão? Onde procurar ajuda na Irlanda?

Segundo especialistas, durante o período mais frio e sem sol do ano, uma em cada 15 pessoas é afetada pela “depressão de inverno”.

Para as mulheres, uma dica especial: é preciso um esforcinho extra, pois, segundo pesquisas sobre o transtorno, as mulheres estão quatro vezes mais propensas a sofrer desse mal do que os homens, principalmente dos 18 aos 30 anos de idade.

Dicas para combater a depressão de inverno

Vamos listar mais algumas dicas para se prevenir e lutar contra a depressão de inverno.

  • Faça exercícios físicos regularmente: pelo menos 20 minutos de caminhada por dia já é algo que pode ajudar.
  • Tenha o hábito de apreciar o dia: sentar à janela ou almoçar em lugares abertos.
  • Tome vitamina D: apesar de ser encontrada em alimentos, entre outubro e março é preciso haver suplementação. Porém, sempre converse com um médico ou nutricionista antes de começar a tomar qualquer suplemento.
  • Sunlight lamp: essas lâmpadas simulam o sol dentro de casa. Além de lindas, elas dão a impressão de que o sol está ali, quentinho e iluminando o ambiente.
  • Atente-se à alimentação: em dias frios, é comum procurarmos alimentos cheios de açúcar. Porém, a energia desses alimentos é muito fugaz. Procure soluções naturais como frutas, castanhas, bolos de aveia e iogurtes, com boas doses de proteína, que darão energia por mais tempo.
  • Gerencie seu sono: sentir-se sonolento durante o dia ou dormir mais horas que o normal é um dos efeitos da “depressão de inverno”. Por isso, não se deixe levar pelo seu corpo. Mantenha uma rotina de sono centrada em oito horas, no máximo, e durante o período mais confortável, para que não afete seu dia a dia. A qualidade do sono é bem mais importante que a quantidade de horas dormidas.
  •  Procure um médico: em caso de sintomas prolongados da “depressão de inverno”, procure um especialista. Só assim você saberá, ao certo, o que está afetando seu organismo.

Onde encontrar ajuda?

Várias instituições de auxílio psicológico atendem pessoas vítimas da depressão de inverno na Irlanda. Foto: Anh Nguyen / Unsplash

Existem muitas instituições que auxiliam no tratamento de depressão e outras doenças na Irlanda. Se você ou algum amigo não se sente bem ou parece ter algum sintoma de depressão, ansiedade e outros, é preciso procurar ajuda.

Neste artigo, listamos oito instituições de ajuda psicológica na Irlanda, desde para auxiliar na “depressão de inverno” até para bipolaridade, aconselhamento para casais e outras crises e conflitos mentais.

Veja também

Tudo sobre o sistema de saúde na Irlanda

Ávany França, Jornalista por profissão, já passou por editorias de moda, gastronomia, história e turismo. Uma vida sem desafios não foi desenhada para essa baiana de Salvador. Amante das viagens, coleciona mais de 80 destinos no passaporte. Quer saber mais? Corre porque até você terminar de ler esse perfil já terei alguma novidade.

Stock Photos via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar