Intercâmbio depois dos 30 anos: conheça quem passou por essa experiência

Intercâmbio depois dos 30 anos: conheça quem passou por essa experiência

Colaborador E-Dublin

1 mês atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Se antes fazer intercâmbio era coisa de adolescente ou recém-formados, hoje em dia essa realidade mudou bastante, e os jovens intercambistas vêm ficando cada vez mais “experientes”. Afinal, por que não fazer intercâmbio depois dos 30 anos?

A carreira, o namoro, o casamento e, mesmo, os filhos, não mais impedem a busca pelo desejo de uma experiência no exterior, e encontrar histórias de “trintões” que largam tudo, botam a mochila nas costas e correm para realização de seus sonhos é cada vez mais comum.

Se antes, apenas jovens poderiam ou queriam morar fora do país, hoje, fazer intercâmbio depois dos 30 anos é mais comum do que você imagina. Quer apostar? Então continue lendo…

10 Dicas para Fazer Intercâmbio Depois dos 30 Anos

Fazer intercâmbio depois dos 30 anos não é impossível. Muito pelo contrário. Foto: Envato

Se antes o intercâmbio era um sonho exclusivo dos mais jovens, hoje em dia essa realidade mudou bastante.

Com a carreira estabelecida, experiências de vida acumuladas e, muitas vezes, uma visão mais clara de objetivos pessoais e profissionais, os intercambistas mais experientes estão cada vez mais presentes em destinos ao redor do mundo.

Se você está considerando essa aventura, confira essas dez dicas essenciais para fazer intercâmbio após os 30 anos.

1. Defina Seus Objetivos Claramente

Antes de tudo, saiba por que você quer fazer um intercâmbio. Seja para aprimorar um idioma, adquirir novas habilidades profissionais ou simplesmente viver uma nova experiência cultural, ter um objetivo claro ajudará a planejar melhor sua viagem.

2. Pesquise Sobre o Destino

Investigue a cultura, o custo de vida, o clima e as oportunidades no país de destino. Países como Irlanda, Canadá e Austrália são populares entre intercambistas mais velhos devido à qualidade de vida e programas específicos para estrangeiros.

3. Escolha o Programa de Intercâmbio Adequado

Há uma variedade de programas disponíveis que atendem a diferentes necessidades e objetivos. Desde cursos de idiomas e pós-graduação até programas de voluntariado e estágios. Certifique-se de escolher um que se alinhe com suas metas pessoais e profissionais.

4. Planeje Seu Orçamento

Intercâmbios podem ser caros, especialmente quando você já tem responsabilidades financeiras estabelecidas. Faça um orçamento detalhado que inclua passagens, acomodação, alimentação, seguro de saúde e uma reserva para emergências.

5. Prepare-se para o Mercado de Trabalho

Se seu objetivo é melhorar sua empregabilidade, procure por programas que ofereçam estágios ou oportunidades de networking. Atualize seu currículo e LinkedIn, destacando suas habilidades e experiências que podem ser valiosas no exterior.

6. Aprimore o Idioma

Como escolher um curso de inglês?

Aprender o idioma local é necessário e primordial. Foto: Freepik

Ter um bom nível de proficiência no idioma do país de destino é fundamental. Se necessário, invista em cursos de idiomas antes de partir. Isso facilitará a adaptação e maximizará sua experiência.

Antes de começar o seu intercâmbio no exterior, que tal começar dar um “up” no seu inglês? Saiba mais aqui!

7. Considere Suas Responsabilidades Pessoais

Se você tem uma família ou outros compromissos, será necessário um planejamento adicional. Converse com seus entes queridos, planeje a logística e considere alternativas como programas de intercâmbio para famílias.

8. Esteja Aberto às Diferenças Culturais

Adapte-se ao novo ambiente com mente aberta e respeito. As diferenças culturais podem ser desafiadoras, mas também são uma das partes mais enriquecedoras da experiência. Aprenda sobre as normas e costumes locais para facilitar sua integração.

9. Rede de Suporte

Mantenha contato com amigos e familiares e procure por comunidades de expatriados no seu destino. Ter uma rede de apoio pode ser crucial para lidar com a saudade e outros desafios emocionais que possam surgir.

10. Aproveite ao Máximo a Experiência

Aproveite cada oportunidade que surgir. Participe de eventos, faça novos amigos, explore o país. Lembre-se de que essa é uma oportunidade única de crescimento pessoal e profissional, então faça valer a pena.

Intercâmbio depois dos 30 anos: Depoimentos Inspiradores

Tomar a decisão de fazer intercâmbio depois dos 30 anos pode não ser fácil, mas é uma oportunidade de crescimento. Foto: Pxhere

Carlos Fernandes, 35, de Taubaté (SP). Como a empresa em que trabalhava estava fechando as portas, ele viu a oportunidade de se aventurar no exterior bater à sua porta. Mesmo tendo convite para assumir uma vaga em outra cidade, preferiu jogar tudo para o alto e voltar à vida de estudante.

Fez as malas e, com a namorada – que já havia morado em Dublin –, correu para realizar um sonho antigo: conhecer castelos medievais. “Quem tem mais que 30 anos sabe que certas oportunidades passam a serem únicas em nossas vidas. Era a hora certa, tudo se encaixou, minha família me apoiou. Tudo conspirava a favor”, disse.

Leia também: É possível fazer intercâmbio aos 60 anos?

Hospede-se em hotéis ou hostels com o custo-benefício que cabe no seu bolso. Faça sua pesquisa aqui!

Intercâmbio além dos 30 anos, dos 40, dos 50

527262_390380671027784_817806890_n

Aos 58 anos, Maria Ideni Tatsch Dias não pensou duas vezes antes de estudar inglês e fotografia na Irlanda. Foto: arquivo pessoal

Se estamos falando sobre intercâmbio depois dos 30 anos, isso significa que existe também aqueles que viajam aos 40, 50, 60… O desejo acompanha aqueles que também já viveram uma vida inteira, criaram filhos e então fizeram a mala. Assim fez Maria Ideni Tatsch Dias, de 58 anos.

Gaúcha de sorriso fácil e viúva, botou a mochila nas costas e voou à Irlanda para acompanhar a filha que se casou com um irlandês e hoje tem residência fixa no país.

Maria encarou aulas de inglês e fotografia entre passeios e visitas à filha, que mora próximo à capital. “Decidi vir porque minha filha mora aqui há mais de cinco anos. Me adaptei muito facilmente, pois não é muito diferente de como me criei”, disse, referindo-se ao ritmo de vida calmo e à qualidade de vida que a ilha proporciona.

Ela teve apoio de todos sobre sua decisão. Então, não pensou duas vezes antes de mergulhar em uma nova cultura.

Leia também: Intercâmbio depois dos 50 anos

Saiba como enviar dinheiro do Brasil para o exterior ou o inverso. É fácil, rápido e sem burocracia!

Intercâmbio depois dos 30 anos: sensação de dever cumprido

Intercâmbio com cabelos brancos? E daí? Não existe idade certa para pensar em mudar de vida. Foto: Pxhere

Saudades do sol, do calor e da culinária brasileira são constantes, mas é difícil encontrar alguém que se arrependa do voo alçado. Ainda mais quando se faz intercâmbio depois dos 30 anos.

Carlos Fernandes voltou ao Brasil com a sensação de dever cumprido. “Quando chegamos, temos em mente muitas ideias, algumas delas se concretizam, outras não, e muita coisa que você não havia planejado acontece também. Em resumo, volto feliz”.

Maria Tatschi talvez ainda alterne meses aqui em Dublin e outros no Brasil, entre ambos os filhos, mas se diz feliz morando aqui, entre parques e pubs.

Chegou a hora de comprar as passagens aéreas? Encontre as opções mais baratas!

80 carimbos no passaporte depois dos 50 anos

Com 80 carimbos no passaporte, Rosângela contou sua história de intercambista depois dos 50. Foto: Pxhere

Um dos textos mais populares publicados aqui no edublin também serve de exemplo para quem ainda teme a idade na hora de fazer as malas e cair no mundo.

A Rosangela, uma dessas personagens incansáveis, resolveu deixar o Brasil no auge dos seus 50 anos, bem vividos e bem viajados, já que ela tem mais de 80 carimbos no passaporte.

Cinquentona, desembarcou na Irlanda cheia de entusiasmo como a maioria, procurou emprego como todos fazemos, dedicou-se às aulas, chorou, riu, divertiu-se e, no final do período estipulado por ela, voltou ao Brasil.

Precisa dizer mais alguma coisa? Rosangelas, Eduardos, Marias, Joãos e Bernadetes, seja qual for o seu nome, lembre-se: sonhos nos mantêm vivos, alimentam a alma e nos fazem transpor muros altíssimos, muitos deles criados unicamente em nossas mentes, outros pela sociedade, mas uma coisa é certa: não há idade para acreditar em si mesmo e muito menos para se aventurar num intercâmbio!

É isso! Fazer intercâmbio depois dos 30 anos é possível e muita gente tem viajado mesmo depois de completar três décadas de vida. E você? Já fez as malas?

Leia também: Intercâmbio depois dos 40 anos. Eu não estou sozinho

Próximos passos para sua viagem

Você pode dar o próximo passo do seu planejamento de intercâmbio pelo mundo agora mesmo. Encontre diversas dicas no nosso guia especial para vários países do mundo.

E se você precisa de ajuda para encontrar uma agência de intercâmbios, temos o Orçamento Fácil, uma ferramenta que te ajuda a entrar em contato com diversas agências com um só clique.

O edublin também tem várias opções de ebooks sobre faculdade e intercâmbio na Irlanda, cidadania europeia, cursos sobre trabalho e carreira no exterior.

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?


Avatar photo
Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do edublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no edublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!
Artigo originalmente publicado em abril de 2013

Veja também

É possível fazer intercâmbio com criança na Irlanda?


Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email