Guia Irlanda LGBTQ: história de luta e conquistas, vida noturna e cultural

Guia Irlanda LGBTQ: história de luta e conquistas, vida noturna e cultural

Rubinho Vitti

2 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

A Irlanda, cada vez mais, tem sido reconhecida como um destino LGBTQ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais, Queer e outros). Isso porque, antes um país católico conservador até os anos 1990, hoje a República celebra a comunidade com projetos diversos, programas governamentais e tem uma gama de multinacionais operando no país que prima pela multiplicidade.

Podemos dizer que a comunidade LGBTQ que vem para intercâmbio pode se sentir em casa. Mas, é claro, nem tudo são flores. Existe preconceito e violência, sim! Não podemos fechar os olhos para isso.

Neste artigo, mostramos tudo sobre a relação entre Irlanda e a comunidade LGBTQ, além de dicas para viver e curtir a liberdade no país.

História LGBTQ da Irlanda

Senador David Norris foi um dos que lutou para descriminalizar a homossexualidade na Irlanda. Foto: Research.ie

A história da Irlanda é marcada pela repressão contra homossexuais. Na era Vitoriana, em 1861, o Offences Against the Persons Act tornava a “sodomia” um crime punível com servidão penal. Isso era estendido para qualquer ação homossexual.

“Todo aquele que for condenado pelo abominável crime de sodomia, cometido seja com a humanidade ou com qualquer animal, estará sujeito a ser mantido em servidão penal pelo resto da vida”.

A lei de 1861 perdurou por mais de 100 anos e só foi extinta pela luta de ativistas sociais que, desde os anos 1970, tentaram mudar as regras do país, sem sucesso imediato. Um deles foi David Norris, professor da Trinity College Dublin. Ele iniciou a Campaign for Homosexual Law Reform para que a homossexualidade deixasse de ser crime na Irlanda e na Irlanda do Norte.

Foi Norris quem começou a tentativa legal de descriminalizar a homossexualidade, em 1977, provando à corte que isso infringia a Constituição sobre privacidade. Norris perdeu sua ação em 1980 no Tribunal Superior e na Suprema Corte.

Criminalização da homossexualidade foi extinta apenas em 1993

Em 1988, Norris já era Senador na Irlanda e ainda era crime ser homossexual no país. Ele levou o caso para o European Court of Human Rights, ganhando o processo, que abriu caminho para a Irlanda descriminalizar a prática homossexual.

Isso foi acontecer cinco anos mais tarde. Em 24 de junho de 1993, o Criminal Law (Sexual Offences) 1993 Bill foi proposto pelo partido Fianna Fáil TD e pela Ministra da Justiça Máire Geoghegan-Quinn, removendo da Constituição irlandesa a lei que criminalizava os atos sexuais entre homens.

Referendo do casamento igualitário

Irlanda foi o primeiro país do mundo a aprovar o casamento igualitário pelo voto popular (referendo).  Reprodução: Telegraph

A tardia descriminalização da homossexualidade na Irlanda parece ter impulsionado um rápido avanço nos direitos LGBTQ no país. Quer dizer, impulsionou a luta para que eles acontecessem.

Nos anos 2000, a nova luta era para o casamento igualitário. Ela começou a avançar oficialmente em 2010, quando foi aprovado o Civil Partnership Act, que dava mais direitos aos casais homossexuais — como em uma união estável, por exemplo —, mas não garantia todos os direitos de um casamento.

Isso foi ocorrer em 2015, quando a nação irlandesa foi às urnas, em 22 de maio, para votar sobre a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em um referendo histórico. Foram 62% dos eleitores apoiando a emenda constitucional, tornando a Irlanda o primeiro país do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo pelo voto popular.

Na Irlanda do Norte, o casamento igualitário passou a valer apenas em 2020.

Primeiro-ministro abertamente homossexual

Leo Varadkar foi eleito primeiro-ministro da Irlanda assumidamente homossexual em 2017. Hoje, ele atua como vice-primeiro-ministro do país. Foto: Gov.ie

Muitos outros direitos foram conquistados ao longo dos anos, como o reconhecimento das pessoas trans pelo seu gênero preferido, a suspensão da proibição da doação de sangue por homens gays, entre outros.

Uma das conquistas que marcou muito a história da Irlanda foi a eleição de um deputado abertamente gay como primeiro-ministro da Irlanda. Leo Varadkar assumiu sua homossexualidade em um programa de rádio quando ainda era Ministro da Saúde, tornando-se primeiro-ministro em 2017. Hoje, ele atua como vice-primeiro-ministro do país.

Vida noturna LGBQI+ em Dublin, na Irlanda

Panti Bar é opção para dates em dias de semana e também para dançar às sextas e sábados. Foto: Divulgação

Panti Bar é opção para dates em dias de semana e para dançar às sextas e sábados. Foto: Divulgação

Diversos pubs e clubes voltados para o público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Trangêneros) abriram as portas no país, principalmente na capital Dublin, onde a vida cosmopolita possibilita uma sensação maior de liberdade. Ou seja, há uma vida noturna ativa para a comunidade.

Praticamente todos os pubs de Dublin são conhecidos como “gay friendly”, mas alguns atraem especificamente o público LGBTQ.

Entre eles, destaca-se o Panti Bar, um dos mais famosos e bem localizados da capital. Criado pela drag queen Panti Bliss — considerada a mais famosa da Irlanda —, em 2007, o local tem um ar mais tranquilo durante a semana, perfeito para dates, enquanto, no fim de semana, torna-se um pub-balada, com DJs tocando o melhor do pop e eletrônico.

Outro ponto para encontros românticos ou para paquerar é o Street 66. O local serve café da manhã e almoço durante o dia e à noite abre sua minipista de dança para dançar ao som de músicas antigas — de Glória Gaynor, George Michael e Tina Turner, passando por ABBA e Madonna.

The George, mais antigo ponto LGBTQ de Dublin

The George é o ponto gay mais antigo de Dublin e a principal balada da comunidade LGBT. Foto: Alessandro0770/Dreamstime

The George é o ponto gay mais antigo de Dublin e a principal balada da comunidade LGBT. Foto: Alessandro0770/Dreamstime

Dublin também é uma ótima opção quando o assunto são festas e baladas com muita luz, shows, música e “ferveção”.

O clube gay mais antigo da cidade é o The George, localizado na George Street. Ele existe desde os anos 1980, quando era a única opção LGBT na cidade. Hoje, uma “trupe” de drag queens faz apresentações diárias em noites temáticas.

Aos sábados tem karaokê e aos domingos acontece o divertido bingo, que oferece sempre um prêmio em dinheiro ao vencedor. Drags famosas, como as participantes do reality show RuPaul’s Drag Race, frequentemente fazem shows por lá.

Balada certeira para o público gay, principalmente masculino, é a Mother, no Temple Bar. O local recebe ótimos DJs internacionais e funciona aos sábados.

Paradas do orgulho gay na Irlanda

Parada LGBTQ de Dublin reuniu mais de 30 mil pessoas no ano passado e neste ano acontece em 30 de junho. Foto: Dublinuser/Dreamstime

Parada LGBTQ de Dublin reuniu mais de 30 mil pessoas no ano passado. Foto: Dublinuser/Dreamstime

A Dublin LGBTQ Parade é realizada desde 1983, quando aconteceu a primeira edição. Ela foi uma resposta ao que aconteceu com Declan Flynn, homossexual atacado no Fairview Park, em Dublin, e que morreu devido aos ferimentos. O evento durou um dia e teve como objetivo destacar os níveis de violência contra homens e mulheres LGBTQ na Irlanda.

Considerada uma das maiores paradas gays da Europa, a Dublin Parade hoje reúne cerca de 30 mil pessoas anualmente, tornando-se o segundo maior evento da capital, perdendo apenas para o St. Patrick’s Festival.

A polícia, que sempre foi tida como inimiga da comunidade LGBTQ no passado, celebrou a Parada em 2019 em Dublin. A Garda coloriu seus carros para trafegar durante o mês de junho. Além disso, durante todo o mês é possível ver a cidade inteira colorida em apoio à comunidade.

Em 2020, apesar da pandemia, a Dublin Pride Parade aconteceu online. Em 2021, haverá alguns eventos presenciais, mas o principal acontece em 26 de junho pela internet.

Dublin não é a única cidade da Irlanda a ter uma parada. Em Cork, Galway e outras cidades também realizam o evento, que tem crescido bastante nos últimos anos.

Cena cultural ativista na Irlanda

Reprodução: Flickr

Estátua de Oscar Wilde em Dublin. Escritor é homenageado durante o Festival Internacional de Teatro Gay. Foto: Flickr

A cena cultural gay também tem se expandido na capital. São várias as manifestações de arte com a temática LGBT. A cidade abriga o Dublin Theatre Gay Festival, um festival internacional de teatro Gay de Dublin, em maio, que celebra escritores irlandeses gays, como Oscar Wilde, entre outros.

O GAZE: Festival Internacional de Cinema LGBT de Dublin acontece em agosto e é um dos mais respeitados do mundo.

Saúde LGBTQ na Irlanda

A saúde dos LGBTQ na Irlanda é levada a sério. Existem clínicas especializadas e programas que promovem testes laboratoriais gratuitos.

O Gay Men’s Health Service, serviço de saúde voltado ao público gay masculino, é um desses casos. Ele realiza testes de HIV para a comunidade e tem apoio do Programa de Saúde Sexual do HSE, serviço de saúde pública da Irlanda.

Também há testes para doenças sexualmente transmissíveis como clamídia, gonorreia, hepatite B, hepatite C e sífilis feitos pelo SH: 24.

Associações de auxílio a LGBTQ na Irlanda

Existem várias associações que auxiliam a comunidade LGBTQ na Irlanda. A principal delas é o LGBT Ireland, que oferece inúmeros serviços de suporte, desde aqueles voltados a jovens como também para os idosos.

O BeLonG To Youth Services é a organização nacional que apoia jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e intersexuais (LGBTQI+) na Irlanda. Ela trabalha desde 2003 com jovens LGBTQI+, entre 14 e 23 anos. Também oferece um serviço especializado para jovens LGBTQI+, com foco na saúde mental e sexual, juntamente ao apoio a drogas e álcool.

Homofobia na Irlanda

Mesmo com o apoio aos direitos LGBTQ e sendo uma sociedade que prima pelos direitos de todos, a Irlanda parece não conseguir impedir que a homofobia circule por seus limites. Casos de crime de ódio, incluindo a homofobia, vêm crescendo na Irlanda. Isso é o que mostra a CSO (Central Statiscs Office).

Segundo os dados, de 2014 a 2016 esse tipo de agressão mais que dobrou no país. Recentemente, um casal homossexual — um brasileiro e um irlandês — foi agredido a pauladas por um grupo na cidade de Portlaoise, interior da Irlanda.

Existem associações e organizações que auxiliam no caso de violência na Irlanda, principalmente contra a comunidade LGBTQ e estrangeiros.

Veja também

Calendário de eventos e festivais na Irlanda

Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Foto: Jasmin Sessler / Unsplash

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar