Molly Malone: conheça a história por trás da estátua

Molly Malone: conheça a história por trás da estátua

Colaborador E-Dublin

5 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Passeando pelas redondezas da região de Dublin 2, próximo à Suffolk Street, uma estátua chama a atenção. É impossível não observar a aglomeração de câmeras fotográficas na direção daquela famosa (e formosa) mulher: Molly Malone.

Personagem icônica do folclore irlandês, ela é também um mistério. Apesar de estar em letras de música e ter, até, essa estátua disposta no centro da cidade de Dublin, não é certo que ela realmente tenha existido.

Por outro lado, há quem jure que Molly Malone perambulou, sim, pela cidade há décadas e, além de vender peixe, tinha outras atividades profissionais.

Mas afinal, quem foi essa pessoa que é alvo de tantos turistas que passam por Dublin todos os dias?

Vamos explicar mais um pouco sobre Molly Malone neste artigo.

Curioso? Então, acompanhe!

A música Molly Malone

Foto: Shutterstock

A estátua da Molly Malone em Dublin é atração entre turistas. Foto: Shutterstock

Molly Malone é tema de uma música irlandesa tradicional. A melodia conta a história de uma linda mulher do século 17, nascida nas províncias de Dublin. Na canção, a vendedora ambulante de peixes tem um final trágico, morrendo de febre.

Na música, o admirador de Molly, que evidencia a postura forte da mulher e seu trabalho árduo para viver, também diz que, apesar da morte, a bela ainda continua perambulando pelas ruas da cidade. Seria, então, um fantasma?

Ironicamente, a publicação original da música não foi encontrada na Irlanda, mas em Cambridge, nos Estados Unidos, no ano de 1883, sem vestígios do autor. O segundo registro foi no ano seguinte, 1884, em Londres, por Francis Brothers and Day, composta por James Yorkston e com arranjos de Edmund Forman.

Música tem interpretação de The Dubliners e Sinead O’Connor

Mesmo sem rastros sobre o paradeiro da bela, o hit que fez sucesso na voz da banda The Dubliners, conhecido pelo refrão “Cockles and Mussels”, tornou-se hino de Dublin e é cantado em todos os pubs da cidade até hoje (veja vídeo acima).

Outros artistas irlandeses gravaram a canção, como a cantora Sinead O’Connor!

Se você está cursando inglês em uma escola irlandesa, provavelmente já viu (ou verá) a canção em sala de aula. Veja trechos da letra abaixo:

In Dublin’s fair city
Where the girls are so pretty
I first set my eyes on sweet Molly Malone

As she wheeled her wheelbarrow
Through streets broad and narrow
Crying, “Cockles and mussels, alive, alive, oh!”

She was a fishmonger
And sure ‘twas no wonder
For so were her father and mother before

And they both wheeled their barrows
Through streets broad and narrow
Crying, “Cockles and mussels, alive, alive, oh

She died of a fever
And no one could save her
And that was the end of sweet Molly Malone

But her ghost wheels her barrow
Through streets broad and narrow
Crying, “Cockles and mussels, alive, alive, oh

O outro lado da personagem Molly Malone

Há babados fortes que sugerem que a trabalhadora vendia mais que peixe nas noites de Dublin. Sim, é o que você está pensando! Molly trabalhava “na noite” da cidade.

O boato surgiu no Apollo’s Medley, livro datado de 1979, redescoberto e publicado em 2010. No livro, há uma música chamada “Sweet Molly Malone”, que apresenta um refrão bem sugestivo:

“My sweet Molly Malone, Till I’m bone of your bone, And asleep in your bed”
[Minha querida Molly Malone, até que eu seja do osso do seu osso, e adormeça na sua cama]

Apesar de haver a coincidência com o nome, novamente, não existem evidências de que a “Sweet Molly Malone” seja a mesma Molly da música interpretada pelo The Dubliners, que, talvez, também seja um personagem fruto de imaginação.

Enquanto alguns tentam desmistificar os segredos, outros parecem criar ainda mais mistério.

Mas e a estátua? De onde surgiu?

A estátua foi construída em 1988, pela Comissão do Milênio de Dublin, após a aprovação de uma reivindicação sobre uma mulher com o nome de Molly Malone, que morreu em 13 de junho de 1699. Muitos que passam pela estátua têm a mania de tocas os peitos da personagem. Dizem que dá sorte! Já foram tantos, que essa parte do monumento encontra-se desgastada.

E não foi só a estátua que ela ganhou como homenagem, mas um dia só para ela. Isso mesmo! Foi proclamado, no dia 13 de junho, o dia da Molly Malone. Pois é, ela não é fraca, não.

Em meio a tantos mistérios, a única dúvida que não resta é que a Molly, seja ela uma letra de música ou uma pessoa, causou fervor na imaginação dos homens, criou muita polêmica Irlanda à fora e se imortaliza, cada vez mais, nas fotos dos diversos turistas que passavam pelos arredores da Grafton Street, onde a estátua esteve durante anos, e agora na Suffolk Street.

E para você, a Molly Malone é apenas um mero delírio da cabeça de seu admirador, ou a bela já veio a este mundo em carne e osso?

Eis a questão!

Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar