Intercâmbio agrícola: como estudar e trabalhar em fazendas no exterior

Intercâmbio agrícola: como estudar e trabalhar em fazendas no exterior

Ana Carolina Brunelli

4 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Se morar fora para aprender um novo idioma já é bom, imagine como pode ser ainda melhor realizar um intercâmbio associado à sua área profissional. Sabe como isso é possível?

Uma das formas é realizando, por exemplo, um intercâmbio agrícola. Esse tipo de programa é destinado a estudantes ou recém-formados dos cursos de Ciências Agrárias, que buscam uma experiência profissional prática, diferente das que tiveram na universidade.

Geralmente, um intercâmbio agrícola é remunerado, dura, em média, 12 meses e é  direcionado para pessoas entre 19 e 28 anos que desejam realizar atividades práticas em fazendas ou empresas do setor agropecuário fora do Brasil.

O lado bom é que nem sempre é exigido um nível avançado da língua local, mas é sim importante que o intercambista consiga se comunicar para realizar todo o trabalho. E se tiver experiência na área, melhor ainda.

O intercâmbio agrícola também é uma oportunidade completamente diferente de estar em contato com uma nova cultura, aperfeiçoar um idioma e de ainda melhorar o currículo profissionalmente. Afinal, ter no currículo uma vivência internacional é um baita diferencial!

Leia também: Intercâmbio: como fazer e quais são os principais destinos para brasileiros

Como funciona um intercâmbio agrícola?

Normalmente, em um intercâmbio agrícola, os intercambistas recebem acomodação e remuneração pelo trabalho, seja por hora, seja um valor mensal.

O local para viver essa experiência depende muito das áreas de interesse de cada pessoa, mas lembrando que pode abranger, praticamente, todo segmento agropecuário, desde agricultura, pecuária, horticultura, enologia, apicultura, entre outras opções.

Outro ponto importante é a época do ano em que pretende fazer o intercâmbio, já que, em alguns países, no período de inverno, não há como realizar alguns trabalhos.

Leia também: Trabalho em Orlando: quais são as oportunidades na cidade dos EUA

Curso de inglês com foco em agronegócio

Intercâmbio agrícola oferece oportunidade de trabalho em fazendas durante o intercâmbio. Foto: Tim Mossholder / Unsplash

Sabia que, para quem decide fazer um intercâmbio agrícola, existe a possibilidade de realizar um curso de inglês com foco no agronegócio, como uma forma de se preparar para embarcar para o intercâmbio?

Esse tipo de curso, geralmente, apresenta as principais terminologias da área agrícola, o que deixa o intercambista mais familiarizado com tudo o que poderá encontrar na hora de colocar sua experiência profissional em prática. É, literalmente, uma imersão em nomes de maquinários, doenças, ferramentas, irrigação e tudo o que tem a ver com o universo agro.

Saiba mais no site da Work&Trip: https://intercambioagricola.com.br/

Quem pode ajudar a realizar um intercâmbio agrícola?

Para fazer intercâmbio agrícola, o candidato deve ter, geralmente, entre 19 e 30 anos. Foto: Rafael Idrovo Espinoza / Unsplash

A CAEP (Communicating for Agriculture Education Program) é uma empresa internacional líder em viagens técnicas, intercâmbio agrícola e educacional, que envia, em média, 200 jovens brasileiros por ano para realizar intercâmbio agrícola nos Estados Unidos, que é o destino procurado por 80% de quem deseja viver esse tipo de experiência.

Mas é válido ressaltar que, além dos EUA, é possível realizar o intercâmbio agrícola em países como Austrália, Canadá, Holanda, Israel e, até, na Nova Zelândia. Os intercambistas podem escolher o país, a área de interesse e a época do ano, sempre respeitando o calendário agrícola do local.

Saiba como se inscrever.

Programas de intercâmbio agrícola que a CAEP oferece

Intercâmbio agrícola pode ser feito em países que oferecem o programa, como EUA, Nova Zelândia e Holanda. Foto: Manh LE / Unsplash

Estados Unidos

Para embarcar para os EUA e fazer um intercâmbio agrícola pela CAEP, é necessário se encaixar em alguns requisitos. São eles:

  • idade entre 19 e 28 anos;
  • experiência prática na área de interesse;
  • conseguir se comunicar em inglês;
  • ser estudante ou formado em curso superior de Ciências Agrárias ou 5 anos de experiência prática na área.

A duração do intercâmbio é de, no mínimo, quatro meses e, no máximo, um ano, sendo que há uma remuneração de, no mínimo, 900 dólares por mês, incluindo a acomodação.

A carga horária é, em média, 55 horas semanais e existe a necessidade da solicitação do visto J-1, que pode ser feito pelo Consulado Americano, com o apoio da empresa.

Áreas disponíveis nos EUA: gado de corte, suínos, enologia, floricultura, viveiros, fruticultura, olericultura, apicultura e equinos.

Leia também: Como trabalhar na Irlanda legalmente?

Holanda

Pelo programa de intercâmbio agrícola da CAEP, na Holanda, há possibilidade de atuar nas áreas de: floricultura, fruticultura, viveiros, olericultura e gado de leite.

No entanto, também há alguns requisitos para poder se inscrever:

  • idade entre 19 e 28 anos;
  • experiência prática na área de interesse;
  • ter boa comunicação em inglês;
  • estar matriculado em uma instituição de ensino agrícola, pois o programa deve ser curricular;
  • para quem é graduado, o limite de idade é de 26 anos e, no máximo, 2 anos de formado.

A duração desse tipo de intercâmbio agrícola na Holanda varia de 3 a 6 meses, sendo o visto para 3 meses mais simples. Mas vale dizer que é preciso concluir o período de intercâmbio até novembro, pois não é possível permanecer lá no período de inverno.

A remuneração chega a € 95 por semana, inclui acomodação e alimentação e uma carga horária média de 40 horas por semana.

Nova Zelândia

Nova Zelândia aceita intercambistas para carga horária de trabalho de 55 horas por semana. Foto: Tim Mossholder / Unsplash

Para fazer um intercâmbio agrícola na Nova Zelândia pela CAEP, é preciso ter:

  • idade entre 19 e 30 anos;
  • experiência prática na área de interesse;
  • ter boa comunicação em inglês;
  • ser estudante ou formado em curso superior de Ciências Agrárias ou 5 anos de experiência prática na área.

Nesse caso, o período mínimo para realizar essa experiência é de seis meses e máximo de um ano, com remuneração de NZ$ 300 por semana, incluindo acomodação. A carga horária é, em média, de 55 horas por semana.

O programa conta, ainda, com uma coordenação no país, responsável por supervisão e auxílio durante todo o período.

*Para mais informações e detalhes sobre os programas de intercâmbio agrícola citados acima, acesse o site da CAEP.

Próximo passo para o seu intercâmbio

Você se encaixa nos requisitos para realizar um intercâmbio agrícola? Se a resposta for sim, quem sabe, agora não é o momento de viver essa experiência, hein?! Não deixe essa oportunidade passar!

Se animou para fazer um intercâmbio e ter a oportunidade morar em outro país? Acesse o Orçamento Fácil edublin e solicite seu orçamento.

Ana Carolina Brunelli, Formada em jornalismo pela UNIMEP. Criadora de conteúdo para redes sociais, com experiência em Diversidade & Inclusão. Esteve na Irlanda duas vezes e, desde a primeira vez no país, soube que Dublin era o seu lugar no mundo. Ama inspirar e incentivar as pessoas a viverem a incrível experiência de conhecer a Ilha Esmeralda.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar