Varíola do macaco na Irlanda: 14 casos confirmados no país

Varíola do macaco na Irlanda: 14 casos confirmados no país

Rubinho Vitti

2 semanas atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

A Irlanda registrou 14 casos de pessoas contaminadas com a varíola do macaco na Irlanda, conhecida em inglês como Monkeypox.

O primeiro caso foi confirmado no dia 27 de maio e o país passou a soltar boletins informativos sobre a situação da doença.

De acordo com relatório publicado pelo HPSC (Health Protection Surveillance Centre), Centro de Vigilância de Proteção à Saúde, todos os casos são do sexo masculino e com idade entre 30 e 50 anos (idade média é de 37 anos). Esses casos não são inesperados após a presença de casos de varíola no Reino Unido e em muitos países europeus.

O HSE (Health Service Executive), serviço de saúde pública da Irlanda, montou uma equipe responsável por gerenciar a situação no país.

A Irlanda também classificou a varíola do macaco como “doença de notificação obrigatória”, ou seja, médicos e laboratórios são obrigados a notificar as autoridades caso identifiquem a doença em pacientes.

Mais de 700 casos confirmados fora da África

Além da confirmação da varíola do macaco na Irlanda, centenas já foram identificados pelo mundo, fora da África. Foto: CDC on Unsplash

Já são mais de 700 casos da varíola do macaco identificados fora da África, local onde a contaminação é comum. Isso inclui Europa, América do Norte, além Emirados Árabes e Austrália.

A varíola do macaco é uma doença rara que é causada pela infecção com o vírus monkeypox, encontrado em algumas populações de animais em partes remotas da África Central e Ocidental e, no passado, causou surtos ocasionais limitados em comunidades locais e viajantes.

De acordo com o HPSC, os casos relatados em vários países agora são incomuns porque a maioria não tem conexão de viagem a essas partes da África.

Como a varíola do macaco se espalha e quais são os sintomas

Varíola do macaco na Irlanda: sintomas incluem erupções cutâneas. Fonte: HPSC

Os sintomas da varíola do macaco são parecidos com os de uma gripe, porém com o adicional da erupção cutânea.

A erupção começa com manchas vermelhas que rapidamente se transformam em pequenas bolhas. Geralmente, desenvolvem-se dentro de 1 a 3 dias após o início da febre ou outros sintomas. Outras pessoas podem ter apenas uma erupção cutânea.

A erupção passa por diferentes estágios antes de finalmente formar crostas que depois caem.

Sintomas da varíola do macaco

  • erupção cutânea (com coceira)
  • febre acima dos 38 graus
  • dor de cabeça
  • dores musculares
  • dor lombar
  • gânglios linfáticos inchados
  • arrepios
  • exaustão

A varíola do macaco se espalha através de contato próximo, incluindo contato com a erupção cutânea de alguém com monkeypox.

As pessoas que interagem de perto com alguém que é infeccioso correm maior risco de infecção: isso inclui membros da família, parceiros sexuais e profissionais de saúde. O risco de propagação dentro da comunidade em geral é muito baixo.

Tratamento da varíola do macaco

A infecção por varíola geralmente é uma doença autolimitada e a maioria das pessoas se recupera em semanas, embora uma variação mais grave possa ocorrer em pessoas com sistema imunológico muito fraco, mulheres grávidas e bebês muito pequenos.

Não há remédio que cure a varíola dos macacos. Por isso, o tratamento é principalmente de suporte para aliviar os sintomas.

Veja também

Como cuidar da saúde durante uma viagem no exterior?

Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar