Coronavírus na Irlanda: país chega a 300 mil casos com baixo índice de internados

Coronavírus na Irlanda: país chega a 300 mil casos com baixo índice de internados

Rubinho Vitti

2 dias atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

O total de casos de coronavírus na Irlanda chegou a 300 mil na última semana, com um total de 303.426 contaminações desde que o primeiro indivíduo foi diagnosticado com a doença, em fevereiro de 2020. Isso acontece depois que há mais de dez dias o país tem registrado não menos de 1.000 novos diagnósticos da Covid-19 por dia.

Desde 15 de julho, o total diário de novas infecções variou de 1.071 a 1.501 registros. Segundo o governo, o aumento exponencial, que colocou o país de volta ao cenário de janeiro/fevereiro, quando o país enfrentava um lockdown bem mais severo, é por causa da variante Delta.

Apesar dos números crescentes de contaminações do coronavírus na Irlanda, o número de pessoas internadas com o vírus não segue o mesmo patamar dos primeiros meses do ano, mantendo-se baixos em relação ao período de maior contaminação do ano. Isso mostra que a vacinação massiva da população irlandesa tem funcionado — são mais de 73% de jovens e adultos imunizados e 87% com pelo menos uma dose aplicada.

De acordo com os últimos registros do governo (3 de agosto), 29 pessoas estavam internadas em UTIs em todo o país, tratando sintomas da Covid-19. O número é o dobro do registrado em 1 de julho, quando apenas 14 recebiam tratamento intensivo, porém ainda é bem mais baixo que os 221 intenados em UTIs em janeiro.

A proporção com internados em geral nos hospitais irlandeses é parecida, com 178 pacientes recebendo tratamento ante 44 no dia 1 de julho. Em janeiro, esse número chegou a 2.020.

O cenário atual do coronavírus na Irlanda equivale ao mês de junho, quando as restrições começaram a ser relaxadas, mesmo assim há uma preocupação do governo quanto a uma possível quarta onda (leia mais abaixo).

No caso do número de mortos pela Covid-19, o governo não tem mostrado os índices diários, mas semanais. O total, no momento, são 5.035 vítimas fatais da doença desde o início da pandemia. Em 27 de julho, eram 5.026 ante 5.018 uma semana antes.

Todos esses números e os atuais podem ser encontrados nos gráficos publicados pelo governo irlandês.

Leia também: Viajar para a Irlanda: saiba o que mudou em 19 de julho

Governo teme quarta onda do coronavírus na Irlanda

O primeiro-ministro Michaél Martin já disse temer por uma quarta onda de infecções no país e implora cautela aos cidadãos. De qualquer forma, os planos de reabertura da República não mudaram e o trabalho continua para mais flexibilizações.

O medo do governo irlandês também tem a ver com seu vizinho Reino Unido. Os planos do governo britânico em flexibilizar grande parte das restrições já começaram, com locais não precisando mais nem mesmo o uso de máscara. Por isso mesmo, o primeiro-ministro irlandês reafirma sua preocupação em como essa ação em terras britânicas pode afetar a situação do coronavírus na Irlanda.

“A Grã-Bretanha é obviamente uma nação soberana e tem o direito de tomar suas decisões, mas eles têm um impacto sobre nós também, então acho que as pessoas precisam ser cautelosas e cuidadosas”, disse.

Baseado em um cenário onde havará uma maior mistura social na Irlanda, o National Public Health Emergency Team Equipe — Equipe Nacional de Emergência de Saúde Pública (Nphet) projeta uma quarta onda entre 187.000 e 408.000 novos casos da Covid-19 durante julho, agosto e setembro e entre 545 e 1.230 mortes no mesmo período de tempo.

Onde encontrar os centros de testagem gratuita para coronavírus na Irlanda

Centros de testagem gratuita para coronavírus na Irlanda estão sendo abertos todas as semanas nos condados. Chamados de “walk-in test centre”, eles tem como o objetivo encontrar casos assintomáticos do vírus na comunidade. Mas atenção, apenas pessoas que não estão sentindo sintomas da Covid-19 devem ir aos centros.

Não há necessidade de agendamento para fazer o teste. Qualquer um pode chegar até os locais e realizar o procedimento.

A localidade dos centros mudam a cada semana. Confira a lista atualizada aqui.

Leia também: Vacina na Irlanda: tudo o que você precisa saber

Quais são as variantes do coronavírus na Irlanda?

As variantes da Covid-19 são uma preocupação no mundo todo e por isso existe um esforço por parte do governo irlandês em descobrir quais são os tipos presentes na ilha.

Existem três categorias de variantes segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde): “variants of concern” (variantes de preocupação), “variants of interest” (variantes de interesse) ou “variants of note”.

A primeira “variante de preocupação” identificada na Irlanda foi o B117, encontrada pela primeira vez no Reino Unido, em meados de dezembro. A variante sul-africana foi identificada pela primeira vez antes do Natal na Irlanda.

Também há casos da variante P1, identificada pela primeira vez no Brasil. A primeira mostra com essa variante de coronavírus na Irlanda foi identificada na quinta semana de 2021.

São cinco variantes de interesse encontradas na Irlanda: a P2 (também foi encontrada primeiramente no Brasil). Também foram encontradas as variantes de interesse B1525 — Nigéria, B1526 — Nova York, B1429 — Califórnia e A27 — Mayotte.

Variantes identificadas como “variants of note” são: B11318 — Reino Unido e B1617 — India.

Tipos de variantes segundo a OMS:

  • Variante de Preocupação – associada a aumento da transmissibilidade ou alteração prejudicial na epidemiologia, aumento da virulência ou alteração na apresentação clínica da doença ou diminuição da eficácia da saúde pública e medidas sociais ou diagnósticos disponíveis, vacinas,
    terapêutica.
  • Variante de Interesse — apresentam mutações, alterações no genoma. São suspeitas de serem perigosas no desenvolvimento da doença, porém ainda faltam estudos aprofundados que confirmem isso.

Histórico do coronavírus na Irlanda

A notícia do primeiro caso de uma pessoa contaminada com a Covid-19 na Irlanda completou um ano. O caso foi notificado na manhã do dia 29 de fevereiro de 2020, no leste do país, um dia após a Irlanda do Norte confirmar uma infecção. Desde então, a ilha — assim como o resto do mundo — nunca mais foi a mesma e o restante dessa história ainda estamos vivendo.

O primeiro caso na Irlanda foi um homem que foi infectado após ter viajado para o norte da Itália, local muito afetado pela doença no início da pandemia, o que não foi uma surpresa para a Irlanda, que já estava preparada para atender o primeiro infectado.

Até aquele momento, haviam 83.000 casos da Covid-19 confirmados em mais de 50 países em todo o mundo, inclusive o Brasil, que também tinha apenas um caso confirmado até então. Hoje, um ano depois, são 114 milhões de casos e 2,5 milhões de mortes. Na Irlanda, em um ano, foram registradas 219.592 casos da doença e 4.319 mortes.

Após 29 de fevereiro, a doença foi se espalhando rapidamente e o país começou a tomar atitudes para contê-la, como o cancelamento do St. Patrick’s Festival.

Em 11 de março, a Irlanda estava com 43 casos confirmados e confirmava a primeira morte por Covid-19 no país. No mesmo dia, a OMS confirmou que o novo coronavírus se tornara uma pandemia.

No dia seguinte à morte, a Irlanda fechou as escolas e no dia 16 foram os pubs e casas de show e baladas que foram fechados.

Automaticamente, 140 mil pessoas ficaram sem emprego na Irlanda, mas o governo conseguiu, de forma rápida, criar um auxílio emergencial que abrangia, até mesmo, os estudantes que trabalhavam antes da pandemia.

Outras restrições começaram a aparecer na Irlanda até que o lockdown foi anunciado em 27 de março, quando pessoas deveriam ficar em casa, estando autorizadas a sair apenas para “um número limitado de razões”. Um ano depois, e o país está de volta ao nível mais restrito de lockdown.

Você pode acompanhar toda a linha do tempo da Covid-19 na Irlanda em nossa retrospectiva.

***

Foto: Fusion Medical Animation/Unsplash

Encontrou algum erro ou ainda tem alguma dúvida? Escreva para nós: [email protected]

Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar